ASSOCIAÇÃO DOS PACIENTES DOADORES
E TRANSPLANTADOS RENAIS DE
SOROCABA E REGIÃO


Publicidade / Campanha - 468x60


     

  

SOBRE A TRANSDORESO  |  DIRETORIA   |   ESTATUTO SOCIAL  |  METAS E OBJETIVOS  |   DOAÇÃO  |  VOLUNTARIADOFALE CONOSCO   

CAPAOS RINS | MANUAIS DE AJUDA | SEUS DIREITOS | HEMODIÁLISE | ORIENTAÇÃO NUTRICIONAL | TRANSPLANTES | GLOSSÁRIO | FAQ |

  Noticias

Seus rins estão trabalhando bem?

Enio Marcio Maia Guerra

Os rins realizam ações muito importantes, incluindo a remoção de impurezas químicas e minerais do sangue, o equilíbrio de ácidos e bases de seu organismo e o controle do volume corporal, além de participarem na produção de glóbulos vermelhos, na regulação da pressão arterial e na calcificação óssea. Estes delicados processos ocorrem quando o sangue bombeado pelo coração passa através dos rins.
Cada rim tem cerca de um milhão de minúsculos néfrons. Cada néfron possui um grupo de pequenos vasos sangüíneos denominado glomérulo. O glomérulo é a menor estrutura encarregada da filtração do sangue quando este passa pelos rins. A velocidade com que o glomérulo filtra o sangue é chamada de taxa de filtração glomerular, ou "TFG". Os rins filtram aproximadamente 180 litros de sangue nas 24 horas e, a partir deste volume, produzem aproximadamente 2 litros de urina, que representa o que deverá ser eliminado do organismo.
Quando os rins começam a ficar doente e reduzem seu funcionamento, começa a haver retenção, no sangue, dos produtos que deveriam ser eliminados, como a uréia e a creatinina. Estas duas substâncias podem ser facilmente determinadas através de exames laboratoriais simples e baratos. Na doença, substâncias que normalmente deveriam permanecer em seu organismo, como as proteínas, começam a aparecer na urina podendo, também, ser identificadas por exames laboratoriais.
A Sociedade Brasileira de Nefrologia deseja que os médicos calculem e os pacientes saibam os valores de sua TFG. Se seu médico solicitou que você colha sangue para checar sua creatinina, ele pode facilmente calcular sua TFG.
Através desse cálculo e com a determinação da quantidade de proteína na urina, seu médico pode dizer se você está, ou não, com uma doença renal crônica. Se nenhuma atitude é adotada para retardar a piora da função renal, os rins podem se tornar insuficientes e o paciente necessitar de diálise ou transplante para poder sobreviver.
Diabete melito e pressão alta constituem as causas mais freqüentes de doença renal. Outras causas comuns são as glomerulonefrites, que causam inflamação e lesão nos glomérulos e as doenças policísticas renais - doenças genéticas que provocam a formação de grandes cistos (bolhas) no tecido renal.
Outra causa freqüente, mas comumente subestimada, é o abuso de analgésicos ou medicamentos para alívio da dor, especialmente a aspirina, o acetaminofem e os antiinflamatórios não hormonais. Estes medicamentos podem ser adquiridos sem receita médica e, se ingeridos em grande quantidade, podem ser tóxicos para os rins, causando dano permanente.
Os sintomas da doença renal incluem o ganho de peso conseqüente à retenção de água, inchaço, aumento na freqüência urinária e perda de proteína na urina. Com a piora no funcionamento dos rins, a uréia e a creatinina se elevam no sangue, aparecem náuseas e vômitos, perda do apetite, fraqueza, cansaço fácil, coceira, cãibras musculares e anemia.
Você pode fazer algumas coisas para evitar o início ou a piora da lesão aos rins. Discuta com seu médico a prescrição de um remédio antihipertensivo da família dos inibidores da enzima de conversão (IECA). Os IECAs ajudam a proteger a função renal e reduzem a pressão arterial. Os indivíduos com diabete, mesmo sem pressão alta, deveriam utilizar estes medicamentos para proteção de seus rins. Manter a glicemia sob controle também é igualmente importante. Se a proteína é encontrada na urina, talvez seja necessário que maior rigor na dieta para controle do diabete e diminuição na quantidade de proteína ingerida normalmente.
Preste atenção aos sinais de alerta da doença renal:
1) Pressão alta.
2) Presença de sangue e/ou proteína na urina.
3) Diminuição da taxa de filtração glomerular.
4) Aumento na freqüência, dor ou dificuldade para urinar.
5) Inchaço ao redor dos olhos, edema de mãos e pés.
A boa forma física é importante para a função renal. Os exercícios melhoram a função muscular, diminuem a pressão arterial, reduzem o colesterol, além de melhorarem o sono. Faça um programa de exercícios com atividades que goste ou possa praticar, como caminhar, nadar, andar de bicicleta ou dançar. "Comece devagar e vá devagar".
Medicamentos para alívio da dor devem ser utilizados com cuidado e somente quando necessários. Seu médico deve ser informado se você necessitar destes medicamentos por mais de 10 dias seguidos em função de problemas de dor crônica como reumatismo, por exemplo. Evite a combinação de drogas que contenham acetaminofem, antiinflamatórios não hormonais e cafeína. Sempre tome seis a oito copos de água todo dia, se você está tomando estes remédios.
O cálculo da TFG é muito fácil e seu médico deve fazê-lo pelo menos duas vezes ao ano, ou com maior freqüência se a lesão já está presente. Para médicos e pacientes que não estão familiarizados com o cálculo da TFG, o site da Sociedade Brasileira de Nefrologia na Internet fica disponível para o cálculo automático, além de dispor informações sobre doenças renais para a população em geral. Seus rins podem não estar trabalhando bem e dar poucos sinais desta insuficiência. Esse cálculo permite um diagnóstico fácil e correto.

Dr. Enio Marcio Maia Guerra é docente da disciplina de Nefrologia do CCMB-PUC/SP.

Artigo - Editorial publicado pelo Jornal Cruzeiro do Sul - Sorocaba - dia 20 de Abril de 2006
 
 APOIO:








 

   

 POLÍTICA DE PRIVACIDADE  | TERMOS E CONDIÇÕES DE USO | ADICIONAR AOS FAVORITOS!  |  INDIQUE ESTE SITE



Este site esta em conformidades com a
Resolução nº 097/2001 do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo
( CREMESP )  que institui o Manual de Princípios Éticos para Sites de Medicina e Saúde.
Copyright © 2005:  TRANSDORESO -
ASSOCIAÇÃO DOS PACIENTES DOADORES E TRANSPLANTADOS RENAIS DE SOROCABA E REGIÃO
Produção e Criação 2005:

Todos os Direito Reservados